#Princípio para o Amadurecimento

cavarPRINCÍPIO DE RIQUEZA Se você quer mudar os frutos, primeiro tem que trocar as raízes – quando deseja alterar o que está visível, antes deve modificar o que está invisível. Algumas pessoas dizem que é necessário ver para crer. A pergunta que tenho para elas é: “Por que você paga a conta de luz?” Mesmo não vendo a eletricidade, você com certeza percebe e utiliza o poder que ela tem. Se não estiver muito certo acerca da sua existência, experimente colocar o dedo na tomada. Garanto que a sua dúvida desaparecerá imediatamente. Aprendi com a experiência que as coisas que não vemos são muito mais poderosas do que as que vemos. Talvez você não concorde com essa afirmação, mas tenho certeza de que você sofrerá se não aplicar esse princípio na sua vida. Por quê? Porque estará indo contra as leis da natureza que dizem que o que está embaixo do solo gera o que está em cima dele, o que é invisível cria o que é visível. Como seres humanos, não estamos acima da natureza, somos parte dela. Portanto, quando respeitamos as suas leis e cuidamos das nossas raízes – do nosso mundo interior -, a vida flui suavemente. Se não fazemos isso, viver se torna difícil. Em toda floresta, fazenda, pomar, é o que está embaixo da terra que gera o que está na superfície. Portanto, é inútil concentrarmos a atenção nos frutos que já estão maduros. Não temos como mudar aqueles que já estão pendendo dos galhos, mas podemos modificar os que ainda vão nascer. Para isso, precisamos cavar a terra e reforçar as nossas raízes. 

T. Harv Eker – livro: Os segredos da mente milionária

 

Impossível contestar… É ler, reler, assimilar e transformar. É aceitar que o com amadurecimento pessoal fica mais harmonioso a conquista da riqueza, do amor, da tranquilidade, do crescimento espiritual, etc, porém esse amadurecimento requer esforço, romper limites, sair do cotidiano, superar os vícios, CUIDAR DAS RAÍZES.

plantio-de-sementes-5‘Bora’ cuidar do que está no invisível, do que está enterrado, do que está Além!!!

Aproveiteeemmm!!! Axé!

 

 

por Mãe Mônica Caraccio