Inteligência Emocional

Axé a todos, espero que aproveitem muito esse texto que preparei para compartilhar com vocês, ele traz saberes relevantes para nossa vida, inclusive para o mundo corporativo, tanto que esse tema – Inteligência Emocional – faz parte da grade curricular do curso que participo de pós graduação ‘gestão de pessoas: carreiras, liderança e coaching’ ministrado pela PUC – Pontifícia Universidade Católica. Portanto, assunto sério que trago com muito carinho e esperança. Aproveiteeemmm…

INTELIGÊNCIA  EMOCIONAL

Design sem nome (1)A psicologia define Inteligência emocional como capacidade de reconhecer e avaliar os próprios sentimentos, assim como a capacidade de lidar com eles. Além disso, a inteligência emocional também lança um olhar em cima do comportamento daqueles que estão à volta de quem os observa. A partir dessas observações, o indivíduo consegue entendê-lo e tirar benefícios próprios a partir de reflexões pessoais sobre estas situações.

Em síntese Inteligência Emocional é saber reconhecer e gerenciar as emoções.

Entre as características da Inteligência Emocional está a capacidade de controlar impulsos, canalizar emoções para situações adequadas, praticar a gratidão e motivar as pessoas, além de outras qualidades que possam ajudar a encorajar outros indivíduos.

É fato,  “controle” das emoções e sentimentos pode ser considerado com um dos principais trunfos para o sucesso pessoal e profissional.

Daniel Goleman, escritor de renome internacional, psicólogo, jornalista da ciência, consultante incorporado e especialista na área, atribuiu 5 pilares para a inteligência emocional:

   CONHECER – É de suma importância reconhecer os comportamentos emocionais presentes em si. Observar cada reação ou sensação originária de uma situação corriqueira ajuda a entender qual o padrão de comportamento individual.

   CONTROLAR – Controlar as emoções é um passo importante para se manter equilibrado. Evitar pensamentos negativos, manter a calma quando houver pressão, são etapas importantes para atingir o controle emocional.

   AUTOMOTIVAÇÃO – Criar pensamentos motivadores para conquistar os objetivos ajuda a realizar as tarefas mais difíceis. Focar no possível sucesso das tarefas que estão sendo executadas.

   EMPATIA – Sempre que possível, se colocar no lugar do outro, tentando entender o seu contexto e as dificuldades que encontra. Isso impacta em um julgamento menos severo.

   GROUPadd – A vida se dá em sociedade e por isso é importante conservar relacionamentos interpessoais saudáveis. Cercar-se de pessoas alegres ajuda a disseminar ambientes saudáveis.

 

Algumas das vantagens que você irá alcançar ao desenvolver melhor sua Inteligência Emocional são:

  • Diminuição dos níveis de ansiedade e estresse;
  • Menos discussões em seus relacionamentos familiares e profissionais;
  • Maior empatia pelo próximo;
  • Mais equilíbrio emocional;
  • Maior clareza nos objetivos de vida e capacidade de tomada de decisão;
  • Melhor gestão do tempo e aumento de produtividade;
  • Aumentará o nível de comprometimento com suas metas;
  • Maior autoestima e autoconfiança

 

Alguns hábitos podem ajudar a desenvolver esse tipo de Inteligência.

1. Dê atenção ao seu corpo e comportamentos – Preste atenção ao seu comportamento! Observe como você age quando está sentindo certas emoções e como isso afeta sua vida. Uma vez que nos tornamos mais conscientes disto, é fácil julgar e começar a atribuir rótulos ao nosso comportamento. Lembre-se também de ouvir o lado físico do seu corpo, sensações e sentimentos como calafrios, por exemplo, podem sinalizar que você precisa prestar mais atenção ao momento.

2. Reduza as emoções negativas – Um dos principais pontos ao desenvolver a Inteligência Emocional é ser capaz de gerir as suas emoções negativas. Evite saltar para uma conclusão negativa imediatamente e pense que as situações possuem várias opções de saída, basta você procurá-las. Uma dica é escrever seus pensamentos e sentimentos, isso pode ajudar a externalizar e compreender melhor.

3. Lide de frente com o estresse e a ansiedade –Todos passam por momentos estressantes na vida ou se sentem ansiosos por algum motivo. Saber lidar com estas situações pode fazer a diferença entre o equilíbrio e a disfunção. Quando sob pressão, a coisa mais importante a ter em mente é manter a calma. Dicas rápidas como lavar o rosto com água fria, tomar ar fresco, evitar cafeína ou fazer exercícios intensos podem mudar muito a maneira como nos sentimos.

4. Não julgue ou mude seus sentimentos com muita rapidez – Neste caso a pressa é inimiga da perfeição. A Inteligência Emocional é um processo gradual, pode ser lento e varia de pessoa para pessoa. Tente não descartar seus sentimentos antes de ter uma chance de pensá-los. Emoções saudáveis muitas vezes se elevam e caem como uma onda, aumentando e desaparecendo naturalmente. Seu objetivo não deve ser “furar a onda” antes de atingir seu pico.

5. Pratique o “responder” ao invés do “reagir” – Segundo Goleman, o cérebro emocional responde aos acontecimentos de forma mais rápida do que o cérebro pensante. Por isso é importante se concentrar em suas ações e perceber a diferença entre o responder e reagir.

O processo de reagir é um processo inconsciente onde experimentamos um gatilho emocional e nos comportamos de forma inconsciente, expressando essa emoção de maneira instantânea. Já o responder é um processo consciente que envolve perceber como você se sente, depois decidir como você quer se comportar. Como dito antes, tome seu tempo e não se deixe reagir de maneira impulsiva e imediata.

6. Pratique a empatia – A empatia é sobre entender o próximo, como alguém se sente ou se comporta de determinada maneira e poder comunicar essa compreensão a eles. O estado de empatia deve começar de você: quando se sentir ou se comportar de certa maneira, pergunte “Por que eu acho que estou me sentindo assim/fazendo isso?” A primeiro plano a resposta será “Eu não sei”, mas continue prestando atenção aos seus sentimentos e comportamentos, e você começará a notar diferentes respostas que chegam. Isso nos torna mais sensíveis e abertos.

7. Crie um ambiente positivo – Criar um ambiente positivo não só melhora a sua qualidade de vida, mas pode ser contagioso para as pessoas ao seu redor. Perceba o que está indo bem, o porquê e onde você se sente agradecido em sua vida.

8. Conheça seus limites e saiba quando é suficiente – Há momentos em que é importante definir nossos limites adequadamente. Estes limites podem incluir o exercício do nosso direito de discordar, de dizer “não” sem se sentir culpado, de estabelecer nossas próprias prioridades e nos proteger da coação. E é importante saber quando é hora de mudar o seu foco.

A inteligência emocional envolve não só a capacidade de olhar para dentro, mas também de estar presente no mundo ao seu redor.
 por Mãe Mônica Caraccio

Uma ideia sobre “Inteligência Emocional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.